MAIS SONETOS "IN TEMPORE"

Sonetos Ingleses

por

Carmo Vasconcelos

PÁG. 19 DE 19 PÁG.

 

 

 

 

 

 

 

ONÍRICO ÊXTASE
Carmo Vasconcelos


Seja a poesia, amado meu, manto de arminho
A acalentar desta lonjura a mágoa tanta,
Como se fossem as palavras ao caminho,
Ardente sol a refulgir de fonte santa.

Levando em versos, lenitivo ao peito aberto,
Que expõe, cativo, a terna imagem adorada,
Sofrendo a dor dessa paixão de rumo incerto,
Que só no breve sonho vê a fome saciada.

Sendo no onírico que esse êxtase acontece,
E a rosa se abre ao colibri despudorado,
Numa volúpia em que o desejo em ambos tece
A teia sensual do pleno orgasmo ambicionado.

E ao sorvo ela se of’rece como em glosa
Se abrindo em rendição, flor amorosa!

Carmo Vasconcelos
Lisboa/Portugal - 16/Setº/2010
(In Divagações Poéticas com o Poeta Zéferro)

 

 

 

 

PONTOS ETERNOS
Carmo Vasconcelos


Deus os criou pra Adão se deleitar
Em castas brincadeiras lá no etéreo,
Mas, de pronto, a serpente em despautério,
Mostrou-lhes co'a maçã outro brincar.

E tu, filho de Adão na antiguidade,
Não podes renegar os teus ensejos...
Acendem-se em teu sangue esses desejos
Que hão-de seguir-te até à eternidade.

Da rosa da mulher e seus botões,
Todo o perfume aspiras encantado,
E seja à Lua, ao Sol, em qualquer lado,
Seguirás da serpente as tentações.

E esse desejo em ti não se contém
Sentindo na mulher a Eva do Além!

Carmo Vasconcelos
Lisboa/Portugal - 19/Novº/2010
(In Divagações Poéticas com o Poeta Zéferro)

 

 

 

 

PONTOS DE VIDA
Carmo Vasconcelos


Toda a ventura começou numa corrida
Desse audaz gâmeta maduro e lutador,
Para alcançar o justo prémio, e ganhador
Penetrar o óvulo e com ele gerar vida.

Depois, crescer nesse cadinho almofadado,
Leito ondulante, protector e divinal,
Até chegar à rosa aberta do portal
Que há-de ejectá-lo como ser vivo encarnado.

Flor que entontece, fascinante porque agrega
Preciosos dons: o do prazer, e o da realeza
De à luz nos dar, e acrescentar à natureza
A humanidade que a completa e que a navega.

Seus dois botões, erectos, são franca promessa
De fontes pródigas de gozo, mas também,
Do leite puro e maternal que em si contém
O primordial sustento à vida que começa.

Pontos que excitam a tua libido sensória
Porque te levam aos primórdios da memória!

Carmo Vasconcelos
Lisboa/Portugal - 27/Outubro/2010
(In Divagações Poéticas com o Poeta Zéferro)

 

 

 

 

VERBO DIVINO
Carmo Vasconcelos


Eram de angústia os tempos tenebrosos,
quando os senhores da heresia opressora,
reinavam neste mundo, poderosos,
semeando a morte injusta, aterradora!

Mas contra a treva vil dos portentosos,
emerge a Luz por dentre a palha loura,
e erguem-se aos céus os hinos jubilosos,
a venerar Jesus na manjedoura!

C’o Deus-Menino nascem sóis radiosos
e nova fé na ansiada Paz vindoura,
que há-de brotar dos ramos amorosos,
da Sua Palavra Santa, imorredoura!

Que o Seu Verbo Divino contra o mal
floresça, vivo em nós, cada Natal!

Carmo Vasconcelos
Lisboa/Portugal - Natal 2011