MAIS SONETOS "IN TEMPORE"

por

Carmo Vasconcelos

PÁG. 9 DE 19 PÁG.

 

 

 

 

 

 

 

FIO DE PRUMO
Carmo Vasconcelos


Cansei de buscar o Santo Graal
Descortinar teu ser impenetrável
Intento tanto quanto inviável
Como calar esta paixão fatal

Não me assustam os tropicais calores
Nem vendavais receio enfrentar
Só muros de gelo pra me gelar
No sangue meus ímpetos e ardores

É a palavra morta em tua boca
Que me deixa perdida como louca
Tornada viajante sem ter rumo

Falta-me a bitola, o fio de prumo
Que nivele a paixão pra não ser pouca
Nem demais para não soar a oca


Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 2006

 

 

 

 

GOSTO
Carmo Vasconcelos


Gosto desse teu jeito de menino
Rebelde ensimesmado e orgulhoso
Desviando o olhar de mim guloso
Temendo por demais meu desatino

Gosto da tua tola irreverência
Querendo ocultar o teu sentir profundo
Como se mal algum viesse ao mundo
Por mostrares do amor tua carência

Gosto do teu falar leve e brejeiro
Sabendo mesmo o quanto me restringes
Deixando o meu amor em cativeiro

Mas amo quando tu por fim cansado
Despes a pele desse outro que finges
E te entregas a mim apaixonado


Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 2005

 

 

 

 

HÓSPEDES INDESEJÁVEIS
Carmo Vasconcelos


São as almas aflitas, perturbadas,
Que em vida não souberam do desígnio
Desse lar que as espera e, desgarradas,
À terra ficam presas em fascínio.

Se intrometem na vida dos mortais,
Nas ilusões da carne e seus prazeres,
Não aceitando que não vivem mais,
Levando aos possuídos seus sofreres.

A nossa voz os toca em vibração,
E um Pai-Nosso será a palavra certa
Que os afastará, ao tom dessa oração!

Exortando-os a procurar a Luz
E dando-lhes da prece o doce alerta,
Encontrarão as bênçãos de Jesus!

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 21/Fevº/2009

 

 

 

 

(IN) DIREITOS HUMANOS
Carmo Vasconcelos


Quanta esperança esse justo enunciado
Já trouxe ao ser humano desvalido...
Num maná de direitos prometido,
Depois de longas eras aviltado.

Um halo novo iluminou as mentes!
Quantas almas fremiram de euforia!
Corações se inflamaram de utopia!
Que homens ainda os há ,puros e crentes!

Porém, a vilania dos dementes,
De poder e ambição gananciosos,
Faz-se cega aos direitos proclamados...

Sobra calçada prós desalojados,
Recheada têm a bolsa os ardilosos,
E grassa a fome sobre os inocentes!

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - Dezº/10/2008

(Na comemoração dos 60 anos dos Direitos Humanos)

 

 

 

 

INGRATIDÃO
Carmo Vasconcelos


Perdoe-me Deus a minha ingratidão!
São por demais as bênçãos que recebo...
Brinda-me a Natureza em que me enlevo,
No peito inda galopa o coração!

Os básicos instintos satisfeitos;
O pão, a veste, o lar em harmonia,
A honra, o respeito, a fé e a alegria;
O amor dos filhos queridos e eleitos!

E como dádiva de Deus, suprema!
Vibra em meu seio a preciosa gema
Da poesia… Esse fúlgido diamante!

E eu... Que ambiciosa criatura!
Ouso sentir-me em larga desventura,
Por meu amado estar de mim distante!

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 18/Fevº/2007

 

 

 

 

 

 

LIVRO DE VISITAS

Para pág. 10