MAIS SONETOS "IN TEMPORE"

por

Carmo Vasconcelos

PÁG. 2 DE 19 PÁG.

 

 

 

 

 

 

 

A BUSCA
Carmo Vasconcelos



No denso bosque do meu pensamento
Procuro o verbo genial, profundo
Que jaz adormecido em esquecimento
Como uma pedra nobre em poço fundo

Anseio aquela ideia preciosa
Que há-de tecer poema de cetim
Qual leve e subtil colcha sedosa
Urdida em tear de oiro e marfim

Mas busco-a a sós comigo e silente
Pois sei que se atrapalha receosa
Se encontra plo caminho sons e gente

E é na calma noite misteriosa
Que ela vem possuir-me amorosa
Despindo-se de versos lentamente

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal-1996

 

 

 

 

A CHAVE DA ALEGRIA
Carmo Vasconcelos


A dor de te não ter senão em sonhos
Difusa imagem breve e impalpável
Traz-me dias dolentes e tristonhos
Um viver por viver insuportável

Tu... Que das musas és um ser eleito
Furta de suas vestes o segredo
Que desamarre a dor deste meu peito
Ao teu aprisionado em vil degredo

Porque eu... tolhida me entrego à tristeza
Na desolada angústia da incerteza
Se o amor entre nós dois inda é fragrância

Das musas rouba a chave da alegria
E vem ao limiar da nostalgia
Abrir, amor, os versos da constância

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 03/Junho/08

 

 

 

 

A GRAMÁTICA DO AMOR
Carmo Vasconcelos


O Amor é substantivo abstracto
Porém tão real na sua abstracção...
Não tem gosto nem cheiro, sequer tacto
Mas dói dentro de nós até mais não

Dói na ânsia, na dúvida, na espera
Na ausência do prazer e em saudade
Esvai-se se o prendemos, qual quimera
E esvoaça se lhe damos liberdade

Ufano, nos reporta sem valor
Se o mimamos amorosos demais
E à mão nos vem comer se o ignoramos

Reveja-se a gramática do Amor
Que sejam suas leis consensuais
Concreto... Se leais o conjugamos

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 04/Junho/2007

 

 

 

 

A LUTA
Carmo Vasconcelos


Entre o desejo e o pensamento
O racional esgrima com furor
Contra este louco e audaz amor
Desarmado plo teu encantamento

A luta ocorre sob a luz da Lua
Fêmea nua toda sedução
Rendida te ofereço o coração
E cega de razões me faço tua

Recua o pensamento atordoado
Desiste o racional extenuado
Avança o desejo enlouquecido

E ao explodir o nosso amor sentido
Esconde-se a Lua envergonhada
E desponta radiante a alvorada!

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal
- 2006

 

 

 

 

A VITÓRIA
Carmo Vasconcelos


Espantei o dragão de sete cabeças
Venci a serpente de mortal ferrão
Sem facas nem lanças sem medo nem pressas
E tomei de assalto o teu coração

Fiz dele um castelo de ameias douradas
Troféu da vitória salvo dos escombros
Sem túneis secretos masmorras fechadas
Forrado de azul magia e assombros

Aclamei-te Rei de um reino inventado
Onde o meu regaço será o teu pouso
E os teus desejos a vontade minha

Nele hás-de reinar comigo ao teu lado
Minha servidão será o teu repouso
Serei do meu rei escrava e rainha!

Carmo Vasconcelos
Lisboa-Portugal - 1997

 

 

 

 

 

 

LIVRO DE VISITAS

Para pág. 3