Carmo Vasconcelos

 

 

"FÉNIX"

Pág. 3 de 5 Págs

Revistas

La Poesía Actual y el DADAISMO
María Sánchez Fernández – ESPAÑA

(Veja-se abaixo a tradução para português, por
Carmo Vasconcelos – Portugal)



Hace pocos días, a través de una correspondencia virtual con un gran amigo mío, también Poeta del Mundo, cubano y residente en España, mantuvimos una interesante conversación en la que disertamos muy amplia y ricamente sobre la poesía actual y la forma de expresión del poeta en nuestros días ( él llama a la forma de escribir sus versos “coloquial, informal, un recogimiento en retazos de la vida cotidiana” ). Todo esto nos condujo sin remedio a un tema muy interesante:
El DADAISMO; es decir, “la oposición a la razón”.
Allá, a principios del siglo XX, un grupo de jóvenes poetas parisinos, encabezados por el rumano Tristán Tzara, se hallaban reunidos en un café en agradable tertulia y entre bromas y ambiente desenfadado surgió como una explosión volcánica un nuevo movimiento cultural que se caracterizó por borrar todos los cánones y convencionalismos ya establecidos en el arte y en la literatura en general provocando unas técnicas de rebeldía y aniquilación de la belleza. Su cometido era la destrucción de la lógica.
Pues bien. DADÁ ¿Que significa DADA?
Pues DA-DA son las primeras sílabas que pronuncia un niño cuando quiere empezar a hablar. Él intenta con este balbuceo expresar un sentimiento, quiere hacerse entender con un lenguaje incipiente que es imposible descifrar. Nadie lo entiende… DA-DA…
De ahí , de esas dos inocentes sílabas nació el concepto de DADAISMO.
El DADAISMO fue un fenómeno con una fuerza extraordinaria que se extendió rápidamente en todos los campos de las artes. Si empezó en un ambiente literario, como en broma, pronto caló e influenció en la música, la pintura, la escultura, la literatura, el teatro, la poesía y hasta en la forma de hablar de las gentes.
He leído que el CUBISMO y el DADAISMO confluyen en un mismo punto. ¡Cuantos maravillosos artistas del pincel plasman sus temas en estas formas de expresión. Son coloristas, imaginativos ¡pero tan difíciles de entender cuando pintan una imagen, una naturaleza muerta, una puesta de sol…! Dicen con fuerza expresiva DA-DA, pero ¿todo el mundo los comprende?
Dicen que le IMPRESIONISMO pudiera ser un antecesor o precursor del DADAISMO, algo con lo que no estoy de acuerdo. Si el DADAISMO expresa el inconformismo en todos los campos socio – culturales; son los “antitodo”, en la pintura el IMPRESIONISMO es la renovación de la belleza en una brillante imaginación llena de luz y colorido dándole a las formas un halo un tanto especial aunque nunca salido de la más hermosa realidad.
En la música el DADAISMO hizo mella. Destacados compositores de principios del siglo XX basaron sus obras en temas llenos de disonancias y estridencias que no llegan ni calan en todas las personas. Son difíciles de asimilar; crispan los nervios. Todos mis respetos para ellos porque son grandes de la música, pero la música, estoy convencida que es para elevar la conciencia a un estado de paz.
Poseo una biblioteca bastante nutrida en la que tengo obras de varios autores universalmente conocidos de aquella época de principios de siglo XX y que están inmersos en el más puro DADAISMO. Los he leído más de una vez, pero cuando termino el libro caigo en una gran depresión. Son muy particulares en su forma de escribir por tener una imaginación extremadamente excéntrica y enfermiza que me inducen a pensar en mundos irreales que me llevan a una especie de desaliento que hace que el ánimo se me venga por los suelos.
Y en la Poesía. ¡Ay en la poesía! Hay mucho DADAÍSMO en la poesía actual.
El poeta escribe, quiere elevarse y darle forma al verso, pero lo destruye con un vocabulario que está fuera de los cánones poéticos. Con esto no quiero decir que no se exprese libremente, que la poesía es pura y bellísima cuando es libre. El verso rimado y medido es algo maravilloso por cierto, así nos lo enseñaron los clásicos, y la expresión poética, lo que se llama “poesía”, es otro algo muy distinto. Tan loables son el uno como el otro pero el poeta debería intentar llevar siempre un mensaje de belleza en sus palabras escritas. Escribir un poema no es poner un texto cualquiera, que apenas dice nada, en una serie de palabras superpuestas en forma de versos, tiene que llevar un mensaje que diga “poesía”.
Ahí está el fenómeno del DADAÍSMO que a través de un siglo sigue vigente en nuestros días.

 


Úbeda, 1 de Febrero de 2011
María Sánchez Fernández – Cónsul Poetas del Mundo Provincia de Jaén – ESPAÑA
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_europa.asp?ID=3170


María Sánchez Fernández - É espanhola e andaluza, nascida em Almería e educada em Úbeda (Jaén), onde reside, trabalha e escreve. Decoradora, escritora e poeta. Estudou composição, armónia e piano com seu pai, notável músico e compositor. Foram-lhe outorgados vários prémios literários e é autora de letra e partitura de várias composições musicais.


A Poesia Actual e o DADAÍSMO
Tradução de Carmo Vasconcelos - Portugal


Há poucos dias, através de correspondência virtual com um grande amigo meu, também Poeta Del Mundo, cubano e residente em Espanha, mantivemos uma interessante conversa em que dissertámos ampla e ricamente sobre a poesia actual e a forma de expressão do poeta em nossos dias (ele chama à forma de escrever seus versos, “coloquial, informal, um apanhado de retalhos da vida quotidiana”). Tudo isto nos conduz inevitavelmente a um tema muito interessante:
O DADAÍSMO; quer dizer, “a oposição à razão”
Em princípios do século XX, um grupo de jovens poetas parisienses, encabeçados pelo romeno Tristán Tzara, encontravam-se reunidos num café em agradável tertúlia, e entre brincadeiras e ambiente descontraído, surgiu como uma explosão vulcânica um novo movimento cultural que se caracterizou por eliminar todos os cânones e convencionalismos já estabelecidos na arte e na literatura em geral, provocando técnicas de rebeldia e anulação da beleza. O seu propósito era a destruição da lógica.
Pois bem. DADÁ? Que significa DADÁ?
DA-DA são as primeiras sílabas que pronuncia uma criança quando quer começar a falar. Ela intenta com esse balbuciar, expressar um sentimento, quer fazer-se entender com uma linguagem incipiente que é impossível decifrar. Ninguém a entende…
DA-DA…
Daí, dessas duas inocentes sílabas, nasceu o conceito de DADAÍSMO.
O DADAÍSMO foi um fenómeno com uma força extraordinária que se estendeu rapidamente a todos os campos das artes. Começou num ambiente literário, de brincadeira, mas de pronto influenciou a música, a pintura, a escultura, a literatura, o teatro, a poesia, e até a forma de falar das pessoas.
Já li que o CUBISMO e o DADAÍSMO confluem num mesmo ponto. Quantos maravilhosos artistas do pincel plasmam os seus temas nestas formas de expressão! São coloristas, imaginativos, mas tão difíceis de entender quando pintam uma imagem, uma natureza morta, um pôr-de-sol…! Dizem com força expressiva DA-DA, mas, será que todo o mundo os compreende?
Dizem que o IMPRESSIONISMO pode ter sido um antecessor ou precursor do DADAÍSMO, algo com que não estou de acordo. Se o DADAÍSMO expressa o inconformismo em todos os campos socio-culturais; é o “anti-tudo”; na pintura, o IMPRESSIONISMO é a renovação da beleza, numa imaginação cheia de luz e cor, dando às formas um halo todo especial, ainda que, nunca saído da mais formosa realidade.
Na música, o DADAÍSMO falhou. Destacados compositores dos princípios do século XX basearam as suas obras em temas cheios de dissonâncias e estridências que não impressionam nem chegam a toda a gente. São difíceis de assimilar; crispam os nervos. Todos os meus respeitos para eles, porque são grandes da música, mas a música, estou convencida que é para elevar a consciência a um estado de paz.
Tenho uma biblioteca vasta, na qual tenho obras de vários autores universalmente conhecidos daquela mesma época de princípios do século XX, e que estão imersos no mais puro DADAÍSMO. Li-os mais do que uma vez, mas quando termino o livro caio numa profunda depressão. São muito particulares na sua forma de escrever, por terem uma imaginação extremadamente excêntrica e doentia, que me induz a pensar em mundos irreais que me levam a uma espécie de desalento que faz com que o ânimo me caia aos pés.
Na Poesia… Ah, na Poesia! Há muito DADAÍSMO na poesia actual.
O poeta escreve, quer elevar-se e dar forma ao verso, mas acaba por destruí-lo com um vocabulário que está fora dos cânones poéticos. Com isto não quero dizer que não se expresse livremente, que a poesia é pura e belíssima quando é livre. O verso rimado e medido é algo maravilhoso, certamente, assim nos ensinaram os clássicos, e a expressão poética, o que se chama “poesia”, é uma outra coisa muito diferente. Tão louváveis são uns como outros, mas o poeta deveria tentar levar sempre uma mensagem de beleza nas suas palavras escritas. Escrever um poema não é colocar um texto qualquer, que nada diz, em uma série de palavras sobrepostas em forma de versos, tem de levar uma mensagem que diga “poesia”.
Aí está o fenómeno do DADAÍSMO que, através de um século, segue vigente em nossos dias.
______________
Em 30 de Março 2011
Carmo Vasconcelos – Poeta Del Mundo -Lisboa/Portugal
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_europa.asp?ID=1650

In Revista eisFluências de Abril/2011
http://www.eisfluencias.ecosdapoesia.org

MENSAGEM DE NATAL
Por Carmo Vasconcelos

 



Queridos leitores,

Nesta quadra de Natal sempre me sinto um tanto melancólica, pesando sobre mim os muitos Natais já passados, numa vida que já se vai fazendo longa. São muitas memórias, umas de encanto, outras de desencanto. Tudo se mistura na minha mente como um caleidoscópio de cores e sombras, onde dançam o passado, o presente, e a imaginada, porque ignorada, perspectiva do futuro. Cores de alegria, presentes, fitas multicores, bolas coloridas, presenças de entes queridos, risos de criança, poemas e cânticos de Natal improvisados numa grande e fraterna família. Sombras de ausências, muitas ausências agora, que o
tempo foi trazendo no seu inalterável avanço e infalível reverso de encurtamento. Porém, presença de sempre, constante e viva, o Cristo, capaz de amenizar todas as dores, todas as saudades. Por Ele renovo o Presépio em cada ano do Seu aniversário. Por Ele enfeito a Árvore de Natal (símbolo pagão, é certo), mas um ornamento com que faço questão de alegrar o dia do nascimento do Menino-Deus, tal como, de enfeites coloridos ornamentamos as festas de aniversário das nossas crianças.
Falar-vos de outras sombras - da (des)Humanidade que nos rodeia, das “outras” crianças espalhadas pelo mundo fora, subnutridas, vitimizadas e violadas, da fome, das guerras, das injustiças e desigualdades sociais, e de sentimentos impuros que nos ferem e magoam, não vou falar, não! A minha melancolia viraria tristeza, e essa não quero passar para vós, nesta época que deverá ser de júbilo e alegria. Já basta a tristeza que cada um de nós sente, pela frustração de um mundo egoísta e mesquinho, friamente materialista, que ignora a Palavra do Cristo - e que cada um de nós expressa e denuncia (ao longo de todo o ano), em prosa e/ou em verso, e sente e cala em silêncios magoados.
Não estou triste, não, amigos! Apenas introspectiva! Fazendo, também, um balanço do ano que está prestes a findar, com relevo para as Graças recebidas e suas alegrias. É disso que quero falar-vos. De alegrias, somente!
Algumas preocupações e contratempos, até, desgostos, os levo como parte dos escolhos do caminho, necessários à evolução e ao aperfeiçoamento da nossa alma.
Os últimos 5 anos (meu tempo de Net) trouxeram-me muitas compensações. Em substituição dos entes queridos, da família, de alguns amigos, cuja presença física fui perdendo ao longo do tempo, ganhei uma família virtual que eu amo e que me tem acarinhado como real. Com ela tenho rido e cantado, e chorado de emoção, algumas vezes. Juntos, temos orado pelos que sofrem ou partiram deste mundo. Temos trocado beijos, abraços e carinhos tantos… Partilhado experiências de vida, inspirações poéticas e literárias, mensagens de apreço, de estímulo e carinho; temos ensinado e aprendido, nesta troca saudável, fraterna e calorosa, numa dádiva gratuita do que cada um de nós tem para dar. Sem críticas mal-intencionadas, sem orgulhos de supremacia e vaidades vãs. A isso eu chamo de respeito pelo sentimento/inspiração, pela diversidade de ser de cada um, na certeza de que ninguém é dono da verdade, na eterna relatividade de apreciação e julgamento. Só assim, podem construir-se verdadeiros laços de união e amizade e alargar os horizontes da cultura e da fraternidade.
Hoje, vós, escritores e leitores da EisFluências, amigos e companheiros de letras, a quem eu gosto de chamar irmãos, fazem, também, parte dessa família virtual, querida e alargada.
A todos, o meu “Bem-Hajam”, com a mais profunda ternura que albergo em meu coração, e os meus desejos de um Santo Natal, na companhia espiritual do Cristo Redentor e de todos os seres que vos amam e vós amais.
Que o Novo Ano de 2010 vos traga tudo de Bom, com Saúde, Paz, Luz, Vida e Amor! Ah! E com muita inspiração, para continuarem a encher de estrelas o nosso horizonte literário, espalhando Amor neste Universo Divino que compartilhamos.

Carmo Vasconcelos
(Directora Cultural)
In Revista eisFluências de Natal/2009
http://eisfluencias.ecosdapoesia.org

O CRISTO
Por Carmo Vasconcelos

 


Hoje, lendo uma crónica do Pe. Francisco Agamenilton Damascena , “O Cruxifico do Haiti” – referindo-se à imagem crucificada do Cristo, que se mantém erecta e incólume, após a derrocada da Igreja Sacre Coeur du Tugeau, no Haiti, veio-me à memória um caso verídico, que consta do meu Romance, “O Vértice Luminoso da Pirâmide”, escrito por mim há cerca de 9 anos.
Salvas as devidas proporções na comparação de ambas as “catástrofes”, mas tendo em conta que, nós, seres humanos, somos um microcosmo do macrocosmo, e também que, como disse Hermes Trimegistrus - O três vezes sábio, três vezes grande: “Como é em cima é em baixo/Assim como no céu, é na Terra”, não posso furtar-me a associar a ínfima semelhança no caso que reconto agora para vós:
“..... Foi o que aconteceu uma noite, quando Jorge, possesso de ciúme, resolve alvejá-la com uma lindíssima peça de arte indígena, frágil, porque feita de um tipo de massa semelhante ao barro. Tinha-lhe sido oferecida pelo irmão Vitor, que a trouxera do Brasil, e Carmen gostava imenso dela. Era um crucifixo, grande, pintado à mão, onde pendia, curvado, o Cristo agonizante.
Carmen desviou-se, e a peça espalhou-se pelo chão, feita em minúsculos pedaços. Cega, pela brutalidade do marido, pelo desrespeito por seu irmão e por ela própria, pelo sacrilégio e heresia contra a imagem sagrada… Carmen perdeu as estribeiras. E, enquanto houve fragmentos palpáveis daquilo que tinha sido o símbolo do sacrifício de Cristo, a sua mão, como que movida pela mão Divina ultrajada, fez deles projéteis e, com uma fúria que desconhecia possuir, uma fúria feita de muitas fúrias contidas, foi-os arremessando a esmo, contra a cabeça, o corpo, as pernas, daquele homem que a apunhalava nos sentimentos mais profundos – como se pretendesse, assim, destruir de vez o seu carácter aberrante! E só parou, quando naquele chão não havia senão migalhas de barro e pó.
Com elas se misturava, volátil, invisível, uma outra poeira de argila esboroada – massa de mulher doce, pacífica e paciente, a desfazer-se aos poucos, para dar lugar a uma mulher agressiva, descontrolada e vingativa.
Mas Carmen ouviu a voz dessas poeiras invisíveis. Elas falaram-lhe:
- Cuidado, mulher! Teu homem não há-de melhorar nunca, tu é que sem dares conta te vais degradando, te igualando a ele.
Os indícios eram claros! Carmen tomou consciência dessa voz sapiente, e jurou a si própria não mais se deixar arrastar, cegar ao ponto de vir a dar por si moldada do mesmo barro, sujo e lamacento!
Curiosamente, passadas semanas, aquando de limpezas maiores, Carmen descobriu, num canto, atrás de um móvel, qual relicário oculto, a cabeça intacta do seu Cristo, que parecia dizer-lhe:
“Como vês, Carmen, continuo aqui!...”
 

(Facto verídico reportado ao ano de 1965 - excerto do romance da autora, “O Vértice Luminoso da Pirâmide”)


Carmo Vasconcelos
In Revista eisFluências de Fevereiro/2010
http://eisfluencias.ecosdapoesia.org

QUEM FOI MARCEL PROUST
Por Carmo Vasconcelos

 


“O amor é o espaço e o tempo medidos pelo coração.”
Marcel Proust



Valentin Louis Georges Eugène Marcel Proust foi um importante escritor e poeta francês. Nasceu na cidade de Paris em 10 de julho de 1871 e faleceu na mesma cidade em 18 de novembro de 1922.
- A obra mais conhecida de Proust foi “Em busca do tempo perdido”, um conjunto de sete novelas, considerada uma das grandes obras da literatura do século XX. É considerado um dos grandes escritores românticos do começo do século XX.
- No ano de 1891, entrou para a faculdade de Direito da Sorbonne.
-Proust preparou-se para seguir a carreira de diplomata, porém desistiu para ser escritor.
- Fundou com alguns amigos, em 1892, a revista Le Banquet.
- Escreveu para revista francesa La Revue Blanche.
- Em 1919, ganhou o prêmio literário francês Goncourt, pela obra “À sombra das raparigas em flor”.

Principais obras de Proust:
- Os prazeres do dia – 1896; Em busca do tempo perdido – 1913 a 1927; No caminho de Swann; À sombra das raparigas em flor; O caminho de Guermantes (I e II); Sodoma e Gomorra; A prisioneira; A fugitiva; O tempo redescoberto; Paródias e miscelâneas; Crônicas
1927; Jean Santeuil (obra póstuma de 1952); Contra Sainte-Beuve (ensaio, obra póstuma de 1954).

Carmo Vasconcelos
(Directora Cultural)
In Revista eisFluências de Dezembro/2009
http://eisfluencias.ecosdapoesia.org.

REINALDO FERREIRA - REPÓRTER X
&
REINALDO FERREIRA (FILHO) – POETA
Por Carmo Vasconcelos

 



Repórter X é um pseudónimo de Reinaldo Ferreira, nascido em Lisboa, em 10 de Agosto de 1897 , foi repórter, jornalista, poeta, dramaturgo e realizador de cinema. Imaginou entrevistas com Mata Hari e Conan Doyle, enviou reportagens da "Rússia” sem nunca lá ter posto os pés, criou um dos primeiros detectives de gabinete da literatura policial, deu forma a uma galeria interminável de heróis de folhetim, fundou jornais, realizou filmes, previu, ao jeito de Júlio Verne, como seriam Lisboa e o Porto no ano 2000.
Reinaldo Ferreira. R de realidade e F de ficção. Nasceu há mais de um século. Os 38 anos da sua breve passagem pelo mundo foram vividos à beira do delírio, com a morfina a ajudar. Um tipógrafo distraído inventou a alcunha que o iria consagrar: Repórter X.
Na redacção de "A Capital", a mãos com a cobertura da recém-deflagrada Primeira Guerra Mundial, Garibaldi Falcão, jornalista da velha guarda, interpelava um jovem aprendiz de 16 ou 17 anos:
O menino já fez incêndios?
Interpretando mal a pergunta, e julgando que o tomavam por pirómano, Reinaldo Ferreira retorquiu com um indignado: "Não, senhor!". Foi a primeira reportagem do futuro Repórter X: um fogo posto na rua de D. Estefânia, em Lisboa.
Mas como a realidade se obstinava em lhe negar assuntos palpitantes, só lhe restava inventar. E inventou, há que dizê-lo, a torto e a direito. Ainda hoje será difícil determinar todas as suas "reinaldices", para usar a expressão posta a correr pelos que lhe iam desmascarando as farsas. Ele, porventura consciente de que essa pulsão para confundir factos e ficções era, afinal, o sinal distintivo do seu génio peculiar, retorquia com um neologismo da sua própria lavra: "reporterxizar".
Em1917, com 19 anos, arrepia os lisboetas com o crime, tão tenebroso quanto inexistente, da Rua Saraiva de Carvalho, que metia malfeitores empuçados, um presumível cadáver e um vilão, apropriadamente designado como "o homem dos olhos tortos". A história veio a lume no Jornal "O Século", e a coisa atingiu tais proporções que o jornal achou prudente revelar o embuste. Mas o folhetim, finalmente assumido como ficção, prosseguiu até ao seu desenlace, e não tardou a transformar-se em livro - "O Mistério da Rua Saraiva de Carvalho" - que o grande cineasta, José Leitão de Barros, tentou mesmo adaptar ao cinema.
Em 1918, Reinaldo Ferreira publica em "A Manhã", um "inquérito à mendicidade". Fez-se fotografar mal barbeado e andrajoso, de mão estendida, e o público convenceu-se de que o repórter fizera, de facto, vida de mendigo. Mas, salvo o retrato, era tudo inventado, incluíndo os 47 centavos que lhe teria rendido esta incursão na indigência.
Neste mesmo ano, volta à carga em "O Século" com o suposto assassinato de uma estrangeira, perpetrado pelo respectivo marido numa pensão de Lisboa. Desta vez, auxiliado por Stuart de Carvalhais, vai ao ponto de pôr um quarto da dita pensão em pantanas e de espalhar sangue de galinha pelo aposento. E, a encerrar o ano de 1918, “recolhe" as últimas palavras do presidente Sidónio Pais, assassinado na Estação do Rossio: "Morro eu, mas salva-se a Pátria". A verdade é que não presenciou o sucedido e, ao que parece, o estadista tombou sem ter tido tempo de dizer seja o que for.
Reinaldo Ferreira parte em 1920 para Paris, ao serviço da filial francesa da Agência Americana, que fora fundada pelo escritor brasileiro Olavo Bilac. Pelos finais do ano seguinte já deixara esta empresa e radica-se em Barcelona com a família. É aqui que nasce Edgar Reinaldo, que depois será o poeta Reinaldo Ferreira (filho).
Em 1926 está de novo em Portugal, fixando-se agora no Porto e escrevendo simultaneamente para o ABC e para "O Primeiro de Janeiro". É em Março desse ano que se dá em Lisboa o célebre assassinato da corista Maria Alves, estrangulada num táxi e lançada morta para a sarjeta. Baseando-se em anteriores crimes congéneres e na intriga de um romance espanhol, Reinaldo aventa nos jornais que o culpado é o ex-empresário da vítima, Augusto Gomes. E o espantoso é que acerta.
Veio a falecer em Lisboa, em 4 de Outubro de 1935, num prédio do actual Largo de S.Carlos.
Se, como jornalista, e não obstante os seus múltiplos talentos, Reinaldo Ferreira merece óbvias reservas, já a sua inspiração torrencial, e até as acidentadas circunstâncias da sua biografia, fazem dele uma das nossas mais fascinantes figuras da primeira metade do século XX.
Reinaldo Ferreira iniciou a sua carreira jornalística aos doze anos de idade e foi, desde os vinte até à sua morte, considerado o maior repórter português.

 

 

 

Mínimo sou.
Mas quando ao Nada empresto
a minha elementar realidade,
o Nada é só o resto.


Reinaldo Ferreira (Filho), de seu nome completo, Reinaldo Edgar de Azevedo e Silva Ferreira, nasceu em Barcelona, em 20/3/1922, e viveu em Moçambique entre 1941 e 1959, data da sua morte, motivada por um cancro. Colaborou em revistas musicais, foi autor de algumas letras de canções que obtiveram êxito e participou em teatro radiofónico. Foi um dos editores da folha de poesia Msaho (Lourenço Marques, 1952), tendo ainda colaborado em publicações como A Voz de Moçambique, Capricórnio ou Paralelo 20.

Divulgando pouco a sua obra poética, a edição póstuma de “Poemas” surpreendeu os leitores metropolitanos que encontraram num autor quase anónimo alguns dos mais belos poemas da literatura portuguesa, parecendo ter sido o zelo por uma vida retirada e a obsessão da perfeição, as explicações plausíveis para que não tenha publicado em vida nenhum volume. Incluída numa linhagem que passa por Camilo Pessanha, Cesário Verde ou Fernando Pessoa, e que se distingue, a nível da forma, pelo culto do rigor, por um expressivo trabalho métrico, rítmico e lexical do verso, a poesia de Reinaldo Ferreira, para Fernando J. B. Martinho, "só muito raramente reflecte os valores do que os estudiosos das literaturas africanas de língua portuguesa consideram a moçambicanidade, devendo, antes, ela ser enquadrada no âmbito da poesia portuguesa, pela situação de inequívoco herdeiro do primeiro e do segundo modernismos que é a do poeta (cf. MARTINHO, Fernando J. B., op. cit., 1996, p. 452).

O título que projectara para o seu primeiro livro de poemas "Um Voo Cego a Nada", constitui uma chave para a interpretação de um pensamento obsidiado pela suspeita da "completa sem-razão das coisas e do mundo", apenas compensada numa "expressão poética rigorosa, nítida, altiva, sabiamente contida, por vezes quase majestosa na sua dignidade cheia de pudor, com um quase omnipresente recurso à auto-ironia, sempre suspeitosa de um demasiado deixar-se comover." (cf. "introdução" anónima, incluída na primeira edição dos Poemas, 1960).



A SUA POESIA
 

Cavalo de várias cores


Quero um cavalo de várias cores,
Quero-o depressa que vou partir.
Esperam-me prados com tantas flores,
Que só cavalos de várias cores
Podem servir.

Quero uma sela feita de restos
Dalguma nuvem que ande no céu.
Quero-a evasiva - nimbos e cerros –
Sobre os valados, sobre os aterros,
Que o mundo é meu.

Quero que as rédeas façam prodígios:
Voa, cavalo, galopa mais,
Trepa às camadas do céu sem fundo,
Rumo àquele ponto, exterior ao mundo,
Para onde tendem as catedrais.

Deixem que eu parta, agora, já,
Antes que murchem todas as flores.
Tenho a loucura, sei o caminho,
Mas como posso partir sózinho
Sem um cavalo de várias cores ?

Que estranha, a nossa verdade

Que estranha, a nossa verdade!
Às vezes, partida a meio,
Minha ilusória unidade,
Pensando, sinto, pensei-o.

Mas quando penso o que penso
Estou-o pensando também.
Na vertigem, não me venço
E recuo e vou além

Daquilo p'ra que há defesa.
Feliz quem pode parar
Onde a certeza é certeza
E pensar é só pensar!

Meu quase sexto sentido
Por detrás da névoa incerta,
Da bruma desconcertante,
Há uma verdade encoberta,
Que é, por trás da névoa incerta,
Intemporal e constante.

Oh névoa! Oh tempo sem horas!
Oh baça visão instável!
Que mal meus olhos afloras,
Em vão transmutas, descoras...
Meu olhar é infatigável.

Quero saber-me quem sou
Para além do que pareço
Enquanto não sei e sou!
Nuvem que a mim me ocultou,
Ai! Meramente aconteço.

Com menos finalidade
De que uma folha caída
Na boca da tempestade,
Porque ele é, na verdade,
Morte a caminho da Vida;

E eu não sei donde venho
Nem sei, sequer, p'ra aonde vou.

Rompa-se a névoa encoberta!
Quero saber-me quem sou!


Muito seria ainda de esperar deste inspirado poeta português, mas para tanto lhe foi pouca a vida.

(Subsídios Wikipédia e Infopédia)


Pesquisa e composição de Carmo Vasconcelos
( In Revista eisFluências Fevº/2010
http://www.eisfluencias.ecosdapoesia.org

 

Livro de Visitas

 

PARA PÁG. SEGUINTE