Carmo Vasconcelos

ROMPENDO AMARRAS

POESIA LIVRE

por

Carmo Vasconcelos

PÁG. 3 DE 9 PÁG.

 

Alberto Pisa

Leitura

 

COMEÇO A ENTENDER ...
Carmo Vasconcelos

Começo a entender
a inutilidade do teimosamente querer...
Lentamente, dispo a frustração
do não ter...
Pragmática,
visto a minha gramática.
“Passar” é o meu verbo,
não, “Ficar”.
Chuva miúda que cai,
entranha, vivifica, revigora,
e se vai...
Homeopática!
Brisa forte, mais que aragem,
menos que suão,
espaneja, sacode, areja,
e se vai...
Errática!
A todos os meus amores
amei intensamente
e desejei eternos...
Mas isso... seria outra gramática...
Estática!
Meu verbo é “Passar”,
não, “Ficar”.
Água corrente, transparente,
refresca, tonifica, reverdesce,
e se vai...
Profiláctica!
Chama quente e rubra,
acalenta, purifica, alumia,
e se vai...
Carismática!
Começo a entender-me sem lamento,
da Natureza elemento,
chuva, brisa, água, chama,
gente e agente
do Super-Regente,
que em sua Divina táctica,
Enigmática,
Escreveu minha gramática
Sistemática!
“Servir” , “Servir” , “Servir”,
depois... “Partir”

Carmo Vasconcelos

CONSTRUINDO A PONTE...
Carmo Vasconcelos


Suave e lentamente, desligo-me do mundo.
Sem pena nem tristeza; nem asceta...
Sem depressão ou euforia, apenas circunspecta,
preparo a outra vida que vislumbro ao fundo...
Para trás, a estrada já vencida, o “dejá-vu”
que, perdido o espanto,
tal amantes desgastados de eu e tu,
já não empolga mais...
Na nova esfera introspectiva
há silêncios de catedrais,
cores a desbravar num imo de vitrais.
Dos satélites pulsantes ao redor,
já conheço os estafados movimentos e quadrantes.
O caminho, sem arestas de temor,
faz-se agora para dentro,
numa rota ponderada de regresso ao antes.
Guardo os olhos para as paisagens Superiores
e os ouvidos para sinfonias Divinais.
Prevejo, até... uma nova poesia
por sinais aromados de incensos,
luzes, toques, brisas calmas,
linguagem enigmática das almas.
Pressinto orgias transcendentais,
orgasmos cósmicos deslumbrantes,
anjos e vestais
fazendo amor num céu de debutantes.
Largo as vestes da vaidade,
a nudez visto de branco,
descalço-me de intentos,
despeço louvores, rebaptizo sentimentos,
experimento o desapego franco.
Abafo o ego prepotente,
queimo o lixo material e poluente.
Na mala... apenas os valores invisíveis:
aprendizado, conhecimento, justeza,
doação, desprendimento.
Não há limite de peso para a bagagem
dos possíveis que estou juntando em sossego.
Quantos mais... maior leveza.
Ah! Minha vontade fraqueja…
Pesos ainda da carne que lateja.
Das paixões, persistem sombras torturantes,
pecados veniais, sedutores e fascinantes,
e as feras, sequiosas de prazer, rondam a fonte...
Mas, por entre a força e a fraqueza, a certeza
do paraíso defronte.
Sem data agendada para a passagem,
estou construindo a ponte!

Carmo Vasconcelos

 

DÁDIVA
Carmo Vasconcelos

Pudessem minhas lágrimas
lavar de ti essa poeira-angústia
que trazes colada aos poros,
e eu me faria um rio de prantos.
Pudessem meus afagos
derreter as intrínsecas carências
coaguladas no teu sangue,
e eu incendiaria as minhas mãos.
Pudessem meus beijos
sufocar as doídas memórias
que te seguem como um cão fiel,
e eu me multiplicaria em lábios.
Pudesse o meu corpo saciar-te
das fomes que te mordem, insaciáveis,
e eu me inventaria pão
dos teus anseios inexplicáveis.
Mas...
Mulher apenas, sem artes mágicas, posso…
Ser um rio de imaginação,
incendiar-me de inovações,
multiplicar novos conceitos,
vestir-me de entendimento,
despir-me de preconceitos.
Inventar-me travesti do futuro,
ousar a última aventura,
jogar o jogo da loucura.
E, embriagada de todas as certezas, tentar…
compensar-te dos pesos existenciais,
arrasar-te os castelos de medos assombrados,
roubar-te o vício dos pensamentos amargados...
E na dádiva plena, pauta de simbiótica harmonia,
ser a nota final… que amorosamente soa
para anunciar
um homem renascido do amor em alquimia!
 

Carmo Vasconcelos

 

DUALIDADE
Carmo Vasconcelos

Fui deusa da caça,
feiticeira de Oz,
caçadora e presa,
vítima e algoz.

Fui verbo-incerteza
em almas pagãs,
sacerdotisa
de mentes irmãs.

Fui louca e devassa
em noites de amor,
filha de Afrodite…

E em dias de Graça,
asa de condor
no céu sem limite.

Fui fogo e surpresa
na cama e na mesa,
crédula e perjura.

Fui perto e lonjura,
amada e esquecida,
traidora e traída.

Fui calor e beijo,
volúpia e desejo,
carne de festim.

Fui verso e fui luz,
a voz de Jesus
falando por mim.

Fui nada e fui tudo!
Choro, riso, entrudo,
princípio e fim!

E hoje em meus anos,
sou ré e juíza
de meus próprios actos.

E de meus senãos,
sábios ou insanos,
lavo as minhas mãos
tal como Pilatos!

Carmo Vasconcelos

 

EM BUSCA DE OUTRO CAIS
Carmo Vasconcelos

Julguei encaminhar-me
para um Porto de Desejos...
Viris,
os contornos estavam lá!

Rompi o nevoeiro
e atraquei,
levando comigo
sofreguidão de beijos.

Viris,
os contornos avistados
esfumaram-se,
varridos pela língua das marés
que os não deixaram ser.

Gelei na boca o beijo,
petrifiquei abraços,
e rumei
em busca de outro cais!

Carmo Vasconcelos

 

ENCONTRO
Carmo Vasconcelos

Hoje,
num impulso de tédio e desamor,
ancorei numa praia há muito esquecida.
Apenas para sentir
o frescor de uma onda acariciante,
a beleza de uma rosa montada na espuma,
o sabor de um beijo morrendo na areia.

Foi então
que entre rosas e beijos à deriva,
ondas volúveis e futilidades emergentes,
meus olhos se abriram à magia do momento…
Era o mar a trazer-te até mim,
único, claro e inteiro,
como insólito presente dos deuses.

Busquei-te, sem saber…
Pressenti-te, meu amor!

Carmo Vasconcelos

 

ERAM ESPELHOS
Carmo Vasconcelos

Eram espelhos
que turvavam meu olhar...

A rosa artificial
que nos enfrentava
pálida e ambígua...

A cómoda sem brilho
que nos julgava
como um juiz decadente...

O lustre meio cego
pendente sobre nós
como uma espada de Aquiles...

O leito gemente
que mal nos suportava
delido do peso de tantos amantes...

Todos
testemunhas cegas, surdas, mudas,
mas espelhos...

Espelhos
da única realidade
possível para nós...

Cúmplices sem afecto
desta simbiose fugaz e efémera,
embaciaram com o hálito do tempo...

E o meu olhar turvado
quebrou-os sem piedade!

Carmo Vasconcelos

 

Livro de Visitas

c

Para pág. 4